21 de nov de 2008

Album: The Beatles ou White Album.

Artista: The Beatles.

Produção: George Martin.

Lançamento: 1968.

Label: Apple Records.

Quanto: Em média, R$ 60,00.

Praticamente mais da metade dos discos dos Beatles são obras primas obrigatórias em qualquer discoteca roqueira e isso definitivamente está fora de discussão! Agora, se eu tivesse que escolher um para levar para uma ilha deserta, com certeza seria o "White Álbum".

"You say you want a revolution
Well you know
We all wanna change the world
You tell me that it's evolution
Well you know
"We all wanna change the world"
"Revolution 1" ( Lennon/McCartney )

Tempo, tempo, tempo...

O ano de 1968 foi um marco, um divisor de águas do século vinte. O mundo passava por grandes transformações. O avanço tecnológico, as incertezas da Guerra Fria, a Guerra do Vietnã, o assassinato de Luther King, o fortalecimento do movimento Black Power e a juventude que tomava as ruas mundo afora, contestando os padrões estabelecidos de educação, moral, ética e estética. Foi um período marcado pela efervescência política, cultural e comportamental


Os jovens que clamavam por liberdade, se inspiravam nas idéias de Guy Debord e Jean Paul Sartre, no cinema da Nouvelle Vague, na música de Joplin, Hendrix, Who, Doors e nos ideais revolucionários marxistas. Queriam passar de meros coadjuvantes para protagonistas. Estabelecer novos valores, mudar, escrever sua própria história.

E no Brasil não foi diferente! Vivíamos sob a repressão do famigerado AI-5 (cujo "slogan" era "Brasil, ame-o ou deixe-o"), Nelson Motta lançava no jornal "Última Hora" o artigo intitulado "a Cruzada Tropicalista", definindo o movimento musical encabeçado por Caetano e Gil, no Rio de Janeiro acontecia a "Passeata dos 100 Mil" em oposição à ditadura militar e Caetano Veloso fazia seu famoso discurso no "Festival da Canção da Globo", após ter sua música, "É proibido proibir", vaiada pelo público jovem presente.

John e a banda, Paul e a banda, George e a banda...

Nessa época, os Beatles já não eram mais os mesmos. Aquela imagem do grupo de amigos, que saiu do anonimato dos bares undergrounds de Liverpool e conquistou o mundo, com sua música simples e direta, apenas tocando rock & roll, já não era mais a mesma. Naquele momento, a banda havia perdido seu ‘toque de Midas’. Amargaram um grande fiasco de bilheteria com o lançamento do filme "Magical Mystery Tour", John Lennon e Paul McCartney não compunham mais juntos, Yoko Ono era uma ‘pedra no sapato’ da banda e George Harrison clamava por mais espaço no grupo. George Martin, o produtor de todos os discos do quarteto até então, e considerado por muitos o quinto ‘Beatle’, foi quem conseguiu levar o grupo de volta ao estúdio de Abbey Road, onde iniciaram as sessões de gravação do "White Album". E Deus o abençoe por isso (kkkkkkkkkkkkkkk)!

Lançado em 22 de novembro de 1968, o "White Album" é o nono álbum oficial dos ‘Fab Four’. Esse disco traz o retorno do grupo ao rock simples e direto, dando adeus à fase psicodélica da banda e revelando ao mundo os caminhos do que seria a música Pop do início dos anos 70. 40 anos depois, este álbum continua um clássico absoluto! Arrisco destacar minhas favoritas, que são "Dear Prudence" (Lennon/McCartney), "Blackbird" (Lennon/McCartney), "Revolution 1"( Lennon/McCartney), "While my Guitar Gently Weeps"(Harrison), "Helter Skelter"(Lennon/McCartney), sem esquecer as deliciosamente bobinhas "Obla-di, Obla-da" (Lennon/McCartney) e "Piggies" (Harrison).

"...Blackbird singing in the dead of night...
Take these broken wings and learn to fly..
"All your life..."
"Blackbird" (Lennon/McCartney)

É como eu sempre digo: Quem não gosta de Beatles, bom sujeito não é!

2 comentários:

Paula Dantas disse...

O post de hoje foi SENSACIONAL!!! Além de super bem escrito, retratou muito bem o momento histório ao redor do White Album e o momento pelo qual a banda passava ali... muito bom mesmo.

Ah, fora que eu ADORO "Dear Prudence", que muita gente não conhece... vc sabia que John escreveu a letra na Índia durante os dias de meditação com o Maharish? Foi pra irmã de Mia Farrow (atriz famosa da época), que se chamava "Prudence. Ela não saía muito do quarto (era tipo uma colônia de férias), então John resolveu escrever: "won´t you come out to play?" ;)

Beijos

Jorge Ramiro disse...

Iggy Pop é o ídolo da minha infância ... "I am the messengger ...." que boa música. Foi um sucesso na década de 90 no Tatuape.